Biografia

 

 

 

      Ricardo Barradas

 

      "A sede de conhecimento sempre me impulsionou”. É assim que o marchand, curador, consultor, ativista cultural, avaliador e advogado autoralista carioca, Ricardo Vianna Barradas, resume sua trajetória profissional dedicada, em sua maior parte, a arte e a cultura.Na infância, nos subúrbios cariocas da Consolação e Gamboa, estabeleceu seus primeiros contatos com a arte pelo artesanato, canto orfeônico e através de instrumentos musicais como piano e violão. Provavelmente esse interesse musical veio na esteira da tradição familiar. Seu avó, Acácio e seus tios Alcina e Alexandre Barradas eram músicos e acompanharam grandes nomes da cultura popular brasileira na era dourada da Rádio Nacional e da rádio Mayrink Veiga tais como Cauby Peixoto, Ângela Maria, Francisco Alves, Noel Rosa e Dalva de Oliveira entre outros.Durante parte de sua adolescência viveu em Manaus e nesse período dedicou-se as artes plásticas. Moacir Andrade, famoso artista amazonense, foi seu guia enquanto se desenvolvia no aprendizado da pintura a óleo, guache, tempera e aquarela.

      Foi também na Amazônia que sempre em busca de autoconhecimento participou de várias celebrações xamânicas e rituais da cultura indígena, folclore e lendas nativas da população ribeirinha da Grande Floresta. Recebeu seus primeiros conhecimentos da filosofia Indú, Vedanta, Budista e Yogue e Meditação Tendoista Nipônica. Iniciou inclusive estudos metafísicos, teosóficos e metalingüísticos ligados aos princípios da Grande Fraternidade Branca Universal e princípios alquímicos medievais. Durante essa parte de sua vida conheceu conceitos práticos da geologia e gemologia extrativista, universo das gemas preciosas encontradas nos rios e a rotina dos garimpos. Tornou-se “capangueiro” e selecionador de gemas. Logo a seguir iniciou-se na arte do talho, da lapidação de diamantes e esmeraldas pelos ensinamentos do renomado lapidário Zyr Cuzattis. Em mais uma derivação das Artes Plásticas, seu interesse pela arte joalheira o levaria anos mais tarde a trilhar e fecundar novos caminhos.

      Gradua se com louvor no curso de Direito da Universidade Gama Filho e passa a integrar o quadro da OAB-RJ. Durante seu período acadêmico participou e militou ativamente no Projeto Rondon tanto em sua versão nacional como regional e em outros movimentos em prol da cidadania, soberania nacional e inclusão social. Participou também neste período da primeira versão do ensino a distância em uma parceria pioneira entre a Universidade UnB de Brasília e a Open University of London. Buscando sempre mais e mais conhecimento, dedicou-se a movimentos assistencialistas de base ligados a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro e algumas ordens religiosas. Tornou-se atuante nas pastorais do jovem, da criança, penal e da terra. Participou da Comissão Pró-Índio, um dos primeiros movimentos de defesa da Amazônia, lugar onde está enterrado um pedaço de seu coração. Realizou com o Padre Max Rodrigues na década de 1970, projeto pioneiro de Arte Pública na Zona Oeste do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com a Rio Arte e a Prefeitura do estado, durante a gestão do renomado intelectual Gerardo de Mello Mourão, objetivando levar a Arte Contemporânea as comunidades de baixa renda via obras de arte sacras nas Igrejas Católicas da região.

      Arte e filosofia, arte e simbologia, arte e teosofia, profano e sagrado, arte e cultura, arte como modo de vida. E mais uma vez a arte o resgata. Conheceu e tornou-se amigo de vários artistas tais como Manoel Santiago, Sylvio Pinto, Bustamante Sá, José Paulo M. da Fonseca, Farnese de Andrade, Sansão Pereira, Roberto de Souza, Zito Saback, Ormezzano e em especial do famoso artista plástico joalheiro Caio Mourão, precursor do conceito da Arte-Jóia no Brasil e reaprendeu o ofício da arte joalheira pelas mãos, idéias e conceitos desse grande mestre. Ganhou durante esses anos diversos prêmios nacionais e internacionais, como o “Arte-Jóia” e “Jóia Arte Assinada” com varias criações, inclusive o premiadíssimo anel Fênix. E assim como Caio também criou troféus para algumas premiações como a Série de Martelos para Leiloeiros e a Árvore de Natal Brasileira, leiloada pela Casa de Leilões Sothebys, em Nova York em uma das primeiras campanhas internacionais para custear as pesquisas sobre a AIDS.

      Curador e realizador de diversos eventos, exposições coletivas e individuais; no ano de 2007, em conjunto com a sobrinha-neta do artista, participa como curador convidado da maior exposição sobre a obra do artista Oswaldo Goeldi já realizada em todos os tempos -“Arte em Branco e Preto”-realizada na BM&F na cidade de São Paulo e participa do Projeto do Artista no período de 2006 a 2009.

      Hoje, vive e milita como avaliador e consultor de obras de arte e jóias, curador, pesquisador, jurado, cronista, produtor cultural, intelectual, marchand e advogado na cidade do Rio de Janeiro. A Casa Vogue Especial Arte registrou em suas páginas, Ricardo Barradas como o primeiro marchand e avaliador de arte a utilizar a internet no Brasil e desde então à crônica especializada o aponta como uma das maiores autoridades brasileiras em Arte e Cultura.

Atualmente participa e desenvolve trabalhos relacionados à Arte e Cultura pelo país e pontualmente na região da Zona Oeste na cidade do Rio de Janeiro. É um dos fundadores da Incubadora Cultural da Zona Oeste e co-participe do Projeto de Desenvolvimento Econômico Estadual e Federa

l da região via implantação do Pólo Metal- Mecânico e dos centros de formação e vocações tecnológicas para o beneficiamento e a manufatura do Aço. Foi também o primeiro marchand brasileiro a desenvolver o modelo- Creatives Social Networks- de acordo com o moderno conceito inglês da Economia Criativa, buscando a inclusão social pela Arte e a Cultura, fator único de sustentabilidade social e cultural frente ao avanço feroz e devastador da globalização.

 

O Brasil deve perceber se como o maior celeiro da diversidade cultural e ambiental, pilares sustentáveis para edificação da nova sociedade contemporânea na melhor vocação deste tempo”  

 

      Em reconhecimento a sua constante e ativa dedicação a Arte e Cultura no Brasil e no exterior vem sendo agraciado ao longo dos anos com inúmeras condecorações, títulos e homenagens. Recentemente, com a Medalha Major Portugal, pela passagem do bicentenário de fundação da PMERJ (Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro); com a Medalha Brava Fibra de Herói, pelo CBMERJ (Corporação Militar do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro); com a Medalha de Mérito Cultural JK - Juscelino Kubitschek e a Medalha Deputado General Euclydes Figueiredo. O renomado Cercle Universel dês Ambassadeurs de La Paix com sede em Genebra na Suíça o agraciou com o titulo de Embaixador Universal da Paz. Recebeu também a homenagem da Loja Maçônica Grande Oriente do estado do Rio de Janeiro, o título de cavaleiro da Soberana e Antiga Ordem da Legião dos Cavaleiros do Bem, Missão Ecumênica Luz do Redentor; a Medalha Comemorativa de Instalação do GOB e a comenda e o título de oficial supremo da Legião dos Cavaleiros Seguidores de Don Gonçalo Mendes da Maia, O Lidador, da cidade do Porto em Portugal. 

      Por mais que a cultura seja seu objetivo maior, é a arte, em particular as artes plásticas e visuais, o universo mais próximo desse sempre contumaz pesquisador. Seguindo desde cedo seu conceito agregador social, fruto de pensamento intuitivo, percebeu que a unidade cultural nacional só poderia ser alcançada com o enlace do mítico adormecido com o já socialmente estabelecido. Partindo da interação do universo das artes clássicas delineadas pelas academias e escolas de arte, busca cada vez mais desenvolver a ponte para o registro das práticas culturais populares, folclóricas, religiosas e simbólicas em um universo mágico e mítico, desenvolvido e criado por artistas, intelectuais, artesões, e seguidores anônimos (pessoas comuns que perpetuam às centenárias tradições populares), constituindo assim a rica e tão cobiçada diversidade cultural brasileira: índia, branca, negra e cabocla.

Ricardo Barradas, algumas vezes é considerado um visionário muito além de seu tempo tanto por trilhar novos caminhos pela cultura, como por seus adiantados ou até mesmo proféticos pontos de vista, exteriorizados livremente em suas idéias, conceitos e frases. Rio de Janeiro em 1968 exemplifica bem esta atitude:

 

 

“O Brasil, não é uma raça, é a união de todas, lutando com amor".     

 

      Sempre em defesa de um Brasil forte e soberano participa ativamente de projetos ligados ao desenvolvimento artístico e cultural nacional.  Por estas idéias e ideais, o advogado e marchand recebeu em 2009 o convite para fazer parte da Liga da Defesa Nacional, entidade cívico-cultural brasileira fundada em 1916 por um grupo de intelectuais, tais como Pedro Lessa, Miguel Calmon, Olavo Bilac e Wenceslau Braz sob a presidência do grande jurista Rui Barbosa.  Hoje integra a função e o cargo de Diretor de Projetos Cívicos e Culturais, outorgado pelo Dr. Joarry Baptista Santos, e pela Vice-Presidente Executivo Dra. Mirian Kátia Perolla, na Diretoria do Estado do Rio de Janeiro, da Liga da Defesa Nacional,na exaltação do Fogo Simbólico da Pátria,e dos Valores Culturais edificadores da identidade brasileira. 

 

"Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido capaz de ouvir e de entender estrelas".  (Olavo Bilac)    

 

     "My search to acquire a large range of knowledge has always guided my walk of life.” That’s how, Ricardo V. Barradas, marchand, curator, evaluater, cultural activist and lawyer summed up his professional path, mostly dedicated to art and culture.

   In his childhood in Rio de Janeiro, Brazil, he’s set up first contacts with art through music. Probably this interest can be explained by family tradition, his uncle and grandfather were both musicians and had worked with great names of Brazilian popular culture such as Noel Rosa.

   During a while he lived in Manaus, Amazonia and has put his back into plastic art. A famous artist there, Moacir Andrade, guided him while he has learning about painting techniques. It was also in Manaus that always looking for knowledge; he took part on various kinds of native cultural traditions and Great Florest folklore. He has also studied about Buddhism, Yougue philosophy, metaphysics and theosophy. It was also during these years that Ricardo has became interested in geology and in the universe of precious stones that can be found in Amazon rivers and in mine routine. He’s became a “capangueiro” and gem’s selector. Short after that, a famous (lapidary) stone cutter, Zyr Cuzattis,  has teached him all about  diamond and emerald cutting art. His interest on “joalharia-art” would take him years later to follow new paths.

   During his academic period on Law School he took part on Rondon Project and in other movements in favor of citizenship, national sovereignty and social inclusion. Always seeking for knowledge he has begun to work with child welfare, free legal aid, ministerial office and social welfare with some religious orders. One of his projects was a pioneer one, with father Max Rodriguez, Rio Art and the State Mayor; he intended to take contemporary art to some “favelas”, poor communities using churches space.

   Art and philosophy, art and symbology, art and theosophy, profane or sacred, art and culture, art as a way of life. And once more, art rescued him.

   He has become friends with some great plastic Brazilian artists such as Roberto de Souza,Farnese de Andrade,Carlos Martins,Bustamante Sá,José Paulo,Manoel Santiago e Sylvio Pinto but especially with Caio Mourão, who adds to that, was an important jeweler and precursor of the concept Art and Jeweler. Ricardo has worked with Caio and they won several national and international prizes.  One of them was a ring designed by Ricardo Barradas and named after the bird Phoenixes. They participated in the event Christmas Brazilian Tree in favor of AIDS research sold by auction in Sotheby’s – New York.

   Curator and producer of a quite large number of art expositions, in 2007 on an association with the grandniece of the artist Oswaldo Goeldi, he embarked in the enterprise as an invited curator. It was the most important exbihtion that had ever happened about Goeldi’s work- “ Black and White Art “, BM& F, São Paulo, Brasil.Nowadays Ricardo works as curator, avaliator and consulter of art work and jewel, researcher, cultural producer, marchand and lawyer in Rio de Janeiro. An edition of Vogue Art Magazine proposed him as the first marchand in Brazil to use the Internet and since then the specialized critic in art indicates him as one of the greatest expert on plastic art and culture.

   At the present time, Ricardo Barradas develops a cultural work in the city, accurately in the Oest Zone. He was also the first Brazilian marchand to work with the English concept _ Creative Social Network-that seeks social inclusion through art and culture, only factor capable of moderate the impact of globalization in native cultures.

   In order to recognize his contributions for Art and Culture in Brazil and internationally, he has been distinguished with some medals and titles, one of them, Peace Ambassador given by the reputed Cercle Universel dês Ambassadeurs de la Paix. Even been culture his mayor goal, it is art, however his closest universe. 

   He is always working on and developing projects associated with Brazilian art and Culture, Barradas believes that is the best way to create a strong and fair country.  Constantly defending one sovereign and solid country, participates in projects linked to national cultural and artistic development. Because of these ideas and ideals the lawyer and marchand received in 2009 an invitation to join the National Defense  League, an organization founded in 1916 by an intellectual group formed by important names of Brazilian personalities such as Pedro Lessa, Miguel Calmon,Olavo Bilac, and Wenceslau Braz, directed by the great jurist Rui Barbosa.

“Love to understand! Only who loves is capable to hear and understand the stars.” (Olavo Bilac).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

copyright© 2009 Ricardo Barradas - Todos os Direitos Reservados